Archive for fevereiro \28\UTC 2009

Taça

fevereiro 28, 2009

taca

O melhor que podia acontecer, ou ao menos o mais engraçado, seria uma final do Gauchão com Gre-Nal. Mas antes disso, o Grêmio ganhando o primeiro turno e o Inter o segundo. Só para o Grêmio ganhar a Taça Fernando Carvalho e o Inter a Taça Fábio Koff. E para a Federação NUNCA MAIS fazer esse tipo de puxa-saquismo.

Anúncios

CJ

fevereiro 28, 2009

cj

Dica para o CJ Roth: coloca algum auxiliar para dirigir o time no Gauchão. Só assim ele não precisa mais treinar o time nesta competição tão menor, tão sem graça como é o Campeonato Gaúcho. Só assim ele pensa só em Libertadores, nada mais além disso. Mas tem que ganhar daí. Não adianta nada ele dar entrevistas mal-humoradas como se já fosse um finalista e depois não conseguir passar nem por um time fraco do Chile. Tem que ser campeão. Ninguém contesta que a prioridade do Grêmio esse ano tenha que ser a Libertadores. Só que uma coisa é priorizar uma competição, a outra é desmerecer por completo outra.

A frase não é minha, nem original, mas se eu ganhasse mais de R$ 200 mil todo mês dava entrevista rindo todo santo dia.

E antes que alguém lembre que o Muricy também é mal-humorado, uma outra lembrança: o Muricy levanta taça. CJ necas até agora.

Sono

fevereiro 27, 2009

bear

Sempre achei que não houvesse nada mais sonolento do que aquele Dança com Lobos.

Tô vendo Inter x Novo Hamburgo.

Acho que é hora de eu rever meus conceitos.

Basta?

fevereiro 26, 2009

lau

Jornal La Hora

# Bom, enfim o Grêmio estreou na Libertadores. Pelo discurso de alguns dirigentes, só agora o ano começou. Só é preciso cuidar para não valorizar SÓ a Libertadores porque se o time cair ali adiante, vira terra arrasada. E não é assim, até porque só um ganha.

# Qualquer comentário afirmando que o Grêmio complicou-se depois do empate ou que vai classificar porque jogou bem é chute, palpite. Palpite por palpite, tenho o meu: o Grêmio classifica sim, tem boas chances de classificar em primeiro, mas acho que não leva mais um dos quatro lugares entre os 16 primeiros na classificação geral. Ou seja, boas chances de ali adiante passar a decidir tudo fora do Olímpico.

# Ouvi e li muito aqui e ali que o Grêmio jogou demais. Ouvi algumas pessoas dizerem isso com entusiasmo. Pera lá. O Grêmio jogou bem sim, bem demais, amassou os chilenos. Mas, e sempre tem um mas… Amassou os chilenos da Universidad, que não tem absolutamente nada demais. Para mim, é preocupante um time que cria duzentas oportunidades de gol e não faz NENHUMA delas. Se o nível técnico da competição é tão maior em relação às anteriores, como diz a aguçada visão do Celso Roth, então esse ano o Grêmio só teve dois testes que dá para levar em conta: os chilenos e o Gre-Nal. Jogou bem em ambos. Perdeu um e empatou outro em casa. Imagina quando jogar mal.

# Se o time criou tantas situações de gol assim, é porque pelo menos uma pessoa pode ser eximida de qualquer culpa no jogo de ontem: C.J. Roth. Se os caras não conseguem fazer os gols, bom, aí não é culpa dele. Mas convém não reclamar, porque se o Grêmio está errando gols agora, imagina quando entrar o artilheiro loiro que não conseguiu fazer meia dúzia de gols no futebol russo…

O cartão laranja e o impedimento

fevereiro 24, 2009

orange

Agora a Fifa cogita a possibilidade de testar o tal do cartão laranja. Na Itália vão testar. Pelo que entendi será um meio termo entre o amarelo e o vermelho. O cara sai do jogo apenas por um tempo, que ainda não está definido. Assim como não está definido quando ele será usado. Ou seja, vai cair de novo na questão da intepretação, que é um dos maiores problemas de arbitragem hoje em dia. Interpretação nada mais é do que a possibilidade de eximir o árbitro de qualquer erro. Não precisa cartão laranja nenhum. O que podia era acabar a interpretação. Bateu na mão do cara, é falta. Ah, mas ele não teve a intenção. Azar, bateu? Então é falta. Fez falta e era o último marcador? Rua. Ah, mas ele não ia em direção ao gol. Aham, e só se pode fazer gol indo reto para o gol? Chute cruzado nem pensar? Rua.
Querem mesmo criar novas regras para diminuir polêmica e melhorar o jogo? Acho que duas podiam resolver em parte. Uma eu já acho que cai de maduro há tempos: TV. Lance polêmico? Olha de novo o lance em um monitor e o trio de arbitragem ou outros responsáveis decidem. Pode até fazer como no tênis, em que o jogador tem o direito de “contestar” x número de lances. Senão também vira zorra.
A minha outra sugestão não tem NENHUMA chance de ser aceita nos próximos 1500 anos, mas enfim: termina com o impedimento. Quer deixar o cara lá pescando o jogo inteiro, deixa. Aliás, até hoje eu não consegui entender a importância do impedimento pro desenvolvimento do jogo. Na pior das hipóteses, termina com mais da metade das discussões nos jogos.

Bastardos!

fevereiro 24, 2009

E o melhor cartaz dessa semana é…

basterds

Simpsons novo

fevereiro 18, 2009

Parem as rotativas!!!!

O melhor programa já feito na história da TV está com uma nova abertura. Para “comemorar” ou sei lá o que a entrada na era da alta definição, Os Simpsons mudaram a abertura do desenho, que não era modificada desde 1990.

Como “purista” em se tratando de Simpsons, fico meio assim, mas enfim, confere aí…

Net, pode esperar, o Procon vai te pegar!!!

fevereiro 16, 2009

louco

Desde o começo do ano, está valendo uma lei que obriga todos os call-centers a te atender em até um minuto no máximo. Nunca me iludi com isso, na verdade, mas achei que o desrespeito fosse ao menos diminuir um pouco. Que nada. A Net, pra variar, continua sendo um dos melhores exemplos de como não atender um cliente. Domingo, tô eu vendo os jogos quando o sinal começa a ficar ruim. Primeiro na RBS, depois em todos os outros canais. Ok, olho e percebo que o sinal da internet – Virtua –  também tinha ido pro saco. Como eu pago a naba do PPV, resolvi ligar pra lá. Começou o teste de paciência. Nas duas primeiras vezes em que a irritante secretária eletrônica te atende, uns dois minutos e nada. Aí liguei de novo só pra anotar o tal número de protocolo. Anotei quatro, em nenhum deles consegui ser atendido, num deles esperando quase dez minutos. Desisti, como o sinal melhorou resolvi ligar outra hora só pra reclamar. Tentei fazer isso hoje. Adivinha se eu já consegui falar com alguém que não uma gravação?
Menos mal que o Procon deve atender mais rápido…

O Gre-Nal foi bom

fevereiro 9, 2009

grenalFoto: Alexandre Lops / Inter / Vipcomm

O Gre-Nal foi bem melhor do que eu pensava, em todos os aspectos. A começar por ver de novo um estádio com as torcidas dividindo espaços iguais, o que infelizmente em Porto Alegre tem sido impossível, tanto por falta de esforço dos clubes, da Brigada Militar e da FGF como, em grande parte, pela selvageria e a rivalidade débil que só cresceu nos últimos anos com as duas torcidas “não-organizadas” de ambos os lados. Mas não foi só fora de campo que o Gre-Nal foi bom. O jogo em si foi também. Ao invés de um jogo truncado e que chama a atenção pela marcação, o clássico em Erechim foi aberto, com trocentas situações de gol. Não é uma afirmação, só um questionamento mesmo: será que o Gre-Nal teve mais bola rolando e menos aquela marcação cerrada o tempo todo porque quase não tinha jogador gaúcho em campo? Sério, não é afirmação, é pergunta mesmo.
Mal terminou o jogo e começou a discussão se o resultado havia sido justo ou não. É óbvio que os dirigentes e o técnico do Grêmio vão dizer que não, o oposto valendo para os colorados. Fato é que todo mundo sabe que a justiça não funciona de modo objetivo em futebol. Estão aí vários e vários exemplos de equipes que jogaram melhor e não levaram – e vamos ficar só com a Holada em 1974 e o Brasil em 1982. E também é contestável a afirmação de que o Grêmio jogou melhor. O Grêmio criou mais chances de gol, teve mais posse de bola. Isso é jogar melhor? Pode ser como pode não ser. Da mesma forma que criar várias situações é um ponto positivo, pode se dizer que o time desperdiçou várias oportunidades, não? O Inter teve menos, aproveitou melhor. Futebol é gol. Se bola na trave não altera o placar, imagina bola fora.
A arbitragem do Simon não foi lá uma maravilha, mas está anos-luz longe das críticas vindas do vestiário azul. Quando começou o jogo, acho que ele demorou demais para dar cartões. Analisando no segundo tempo, pensei que talvez ele estivesse correto. Se tivesse apresentado amarelos ali, o jogo não terminava com 18 em campo. E por ser o Simon, ele tem autoridade suficiente para se impor. Como se impôs. Os dois lados reclamam de pelo menos um lance cada. O Inter cobra a expulsão do Réver em uma falta no Nilmar. Eu acho realmente que ele dali ia pro gol, o zagueiro do Grêmio não buscava mais nem a pau. Mas é o problema da interpretação. Toda jogada em que vale a interpretação, não vale reclamar da decisão, apenas discordar dela. O Grêmio fala do gol anulado. Primeiro, não houve gol anulado porque naquele momento o jogo já estava parado, basta olhar as reações do Jonas e do Lauro no final da jogada. Houve impedimento? Claro que sim, mas não era um lance do Simon, e sim do bandeira. E também não era uma daqueles impedimentos clamorosos. Foi um erro. Só. O resto é choradeira.
O Inter ganhou por causa da arbitragem? Não. Ganhou por acidente? Não. Ganhou por causa do Tite? Não. Ganhou simplesmente porque o time é melhor individualmente falando. Quando mais jogadores com capacidade de desequilibrar num lance, mais chance de ganhar tu tem. A bola que sobra pro Nilmar não é a mesma que sobra para o Rafael Marques. O Nilmar decide. Por isso é craque. E por ter mais jogadores decisivos, o Inter ganhou. No fundo, futebol é bem simples, não?

Quem chamou a atenção positivamente:

* Grêmio: Victor de novo foi um fenômeno, aquela defesa com a perna foi genial. Réver foi preciso em quase todos os desarmes e cada vez joga mais. Fábio Santos acho que foi a melhor surpresa de todas. Souza fez um belo primeiro tempo e Alex Mineiro mostrou que não está ali só para fazer gols, mas também para deixar os outros na cara do gol.
* Inter: Eu acho que o Inter ainda vai pagar o preço de ter o Lauro no gol, mas nesse jogo ele foi muito bem. Álvaro é um zagueiro sério. Taison tem estrela, não jogou nada, mas foi decisivo no lance do gol. D´Alessandro é diferente, sempre que pega a bola sai algo inesperado dos pés dele, fora que ele tira o adversário do sério sempre. E Nilmar, bom, Nilmar é craque.

Quem chamou a atenção negativamente:
* Grêmio: Ruy participou do gol, fora isso não vi ele. Léo não é nem sombra do zagueiro que parecia ser no início de 2008. Diogo é candidato a melhor jogador de rugby do Gauchão. Tcheco é dos jogadores mais gente-fina que já conheci, mas não viajou para Erechim pelo visto.
* Inter: Índio entregou o jogo, foi salvo depois pelo Nilmar. Guiñazu recuado é um desperdício do tamanho do mundo. Alex é outro que deve ter visto o jogo pela TV.

Paixão instantânea

fevereiro 8, 2009

Manja quando de cara tu te apaixona por um som? Pois é, tenta resistir, se é que dá.

The Sun Ain´t Shining no More – The Asteroids Galaxy Tour